Publicidade
Quarta-feira, 13/12/2017
Busca
Buscar
Facebook
Twitter
RSS
Cadastre seu e-mail em nossa newsletter

Bebês até 1 ano

Tudo o que você precisa saber sobre as primeiras descobertas da criança estão aqui. Entenda o que acontece durante essa fase, desde recém nascidos até o primeiro ano de vida!

Conheça sobre Sequência de Pierre Robin

A Sequência não é uma doença. É uma má formação congênita.

As características clássicas da Sequência de Pierre Robin são: micrognatia (queixo pequeno e para trás), língua em posição posteriorizada (há casos em que a língua encontra-se atrás da gengiva e há outros em que a ponta da língua encontra-se próxima a campainha); presença ou ausência de fissura palatina completa / incompleta (abertura no céu da boca) e pode ainda apresentar ruídos respiratórios que se parecem com um “ronquinho”.

O diagnóstico acontece logo após o nascimento, através da avaliação clínica do pediatra.

De acordo com o ortodontista Fernando Castro, as más formações faciais presentes na Síndrome de Pierre Robin entre elas as diferentes formas de fissura palatina podem acarretar sérios problemas respiratórios e alimentares no recém-nascido, exigindo uma equipe multidisciplinar para tratamento desses sintomas podendo evitar cirurgias e as complicações que podem surgir em neonatos e lactantes.

Após o diagnóstico, é importante que seja feita uma avaliação com o otorrinolaringologista,  o exame é realizado para ver o quanto à língua esta obstruindo a região da nasofaringe; a  atuação fonoaudióloga inicia após a avaliação médica,  informa a fonoaudióloga Aline Gomes Rampani. Há casos em que é necessária intervenção médica especializada para diminuir o desconforto respiratório; outros em que o fonoaudiólogo age logo após as primeiras horas de vida do recém-nascido, realizando manobras facilitadoras com o objetivo de ajudar na alimentação e promover melhor posicionamento de língua.  O uso da chupeta e mamadeira com bico longo são indicados  para fins terapêuticos, complementa.

Por volta dos 6 meses, época em que os bebês iniciam a fase do balbucio o setor de fonoaudiologia da AAFLAP  inicia um trabalho preventivo como tentativa de evitar futuras  trocas na fala devido à fissura palatina.
Em São José dos Campos existe a AAFLAP (Associação de Apoio aos Fissurados Labiopalatais) que presta auxílio aos fissurados desde 1987, com atendimento nas áreas de fonoaudiologia, psicologia, pediatria, fisioterapia, serviço social e ortodontia. O trabalho inicia desde a maternidade com a avaliação da fonoaudióloga da entidade e uma mãe visitadora. A Associação atende e orienta os nascidos de São José dos Campos e todo o Vale do Paraíba, Litoral Norte, Serra da Mantiqueira e Sul de Minas.

Há vários centros que atendem os nascidos com a fissura labiopalatina. A AAFLAP encaminha todos os casos para o Hospital de Reabilitação de Anomalias Crânio Faciais – Centrinho – em Bauru/SP.  Neste serviço tem uma equipe especializada nos casos de Pierre Robin.

“O tratamento é amplo e complexo, mas temos a sorte de termos instituições considerada referência mundial no tratamento desses casos”, comenta o Dr. Fernando Castro.

A partir dos 12 meses e peso mínimo de 8 kg o Centrinho realiza a palatoplastia (cirurgia para fechar a abertura no palato).

O ortodontista afirma que é muito importante o cuidado dessa equipe, pois poderá proporcionar um tratamento integral desde o nascimento até a fase adulta propiciando ao portador de deformidades faciais o necessário ajustamento à sociedade.

Equipe Filhos & Cia
Por Marcela França

Colaboração:
Dr. Fernando Castro (Ortodontista)
Aline Gomes Rampani (Fonoaudióloga da AAFLAP e consultório em São José dos Campos-SP)

 

 
Deixe seu comentário:
Nome:
E-mail* ( Seu e-mail não será divulgado! )
Comentário*
 
Gestação Semana a semana

E-mail

Senha