Publicidade
Domingo, 24/09/2017
Busca
Buscar
Facebook
Twitter
RSS
Cadastre seu e-mail em nossa newsletter

Gestantes

Esta seção vai ajudar as gestantes a entenderem melhor o milagre da gravidez

Nutrição na gestação

A gravidez é um momento especial na vida de uma mulher e de seu filho. O estado nutricional materno tem relação direta com a saúde fetal. O corpo da mulher sofre grandes transformações: a barriga cresce, os seios aumentam e a demanda por nutrientes aumenta para proporcionar condições favoráveis de desenvolvimento e crescimento fetal.

Esses nutrientes são oferecidos pela dieta, assim como pelas reservas nutricionais pré-existentes no organismo materno. O ideal é que a mulher faça uma preparação para engravidar, ou seja, uma avaliação nutricional completa que identifique possíveis deficiências nutricionais e corrija os erros alimentares antes da fecundação.

A maioria das mulheres apresenta baixo consumo de cálcio, ferro e ácido fólico, nutrientes essenciais que devem ser ingeridos em maior quantidade durante todo o período gestacional. O consumo adequado de alimentos ricos em cálcio ajuda a controlar a pressão arterial, que tende a baixar durante a gestação, além de manter o desenvolvimento ósseo fetal. O ferro pode causar anemia ferropriva que está associada a maior risco de mortalidade materna,  parto prematuro e baixo peso ao nasce. Enquanto que o ácido fólico é imprescindível para a formação adequado do tubo neural.

Algumas pesquisas demonstram que não apenas a carência de nutrientes pode prejudicar o feto, mas também altas doses de algumas vitaminas e minerais estão relacionadas a alterações durante a vida intrauterina e após o nascimento. O excesso de vitamina A, por exemplo, está relacionado a deformidades fetais. Cremes antirrugas contendo ácido retinóico, um tipo de vitamina A, devem ser evitados por gestantes.

As necessidades de energia e proteína também estão aumentadas durante a gestação, a fim de atender as necessidades requeridas para o desenvolvimento do feto e formação de estruturas maternas (placenta, útero, glândulas mamarias e sangue), assim como a formação de depósitos energéticos da mãe utilizados durante o parto e lactação.

As necessidades energéticas variam com o peso pré-gestacional materno. Adolescentes (com menos de cinco anos pós-menarca) ou mulheres que iniciam a gravidez com baixo peso devem aumentar sua ingestão calórica em 300 calorias desde o início da gravidez. Enquanto que para as mulheres que estão com sobrepeso ou obesidade nenhum aumento calórico é recomendado. Além disso, apesar do excesso de peso, estas mulheres muitas vezes apresentam baixo consumo de micronutrientes e são desnutridas.

O ganho excessivo de peso, a hipertensão, o diabetes gestacional e os desconfortos comuns da gestação como azia, náuseas e prisão de ventre, podem ser prevenidos e tratados através dos alimentos.

A dieta materna durante o período gestacional não está apenas relacionada à saúde materna e aos bons resultados obstétricos, mas também, a saúde do seu bebê na vida adulta. A mãe pode minimizar o risco de seu filho desenvolver na fase adulta, doenças crônicas como diabetes, hipertensão e obesidade a partir do que ela come durante a gravidez!

Com uma alimentação adequada, as futuras mamães ficam mais bonitas, com menos desconfortos, ganham peso adequado, evitam complicações obstétricas e garantem bebês mais saudáveis.

Drª Isabel Jereissati
Nutricionista pós-graduada em Nutrição Clínica Funcional e em Nutrição Materno-infantil

 

 

 
Deixe seu comentário:
Nome:
E-mail* ( Seu e-mail não será divulgado! )
Comentário*
 
Gestação Semana a semana

E-mail

Senha