Publicidade
Domingo, 24/09/2017
Busca
Buscar
Facebook
Twitter
RSS
Cadastre seu e-mail em nossa newsletter

Gestantes

Esta seção vai ajudar as gestantes a entenderem melhor o milagre da gravidez

Infecção urinária durante a gestação

Uma das coisas mais comuns que acometem as mulheres durante a gravidez, é a infecção urinária, que chega a atingir 20% das gestantes.

É importante ficar atenta nos três primeiros meses da gestação, neste período aparecem os sintomas desta alteração. A infecção urinária cria várias situações doentias e pode até contribui para a mortalidade materno infantil.

Uma das causas da infecção urinária é por meio das bactérias da flora intestinal que contaminam o trato urinário.

Normalmente na gravidez, a urina é mais rica em nutrientes (açúcar e aminoácidos), o que propicia um meio de cultura mais rico, facilitando o crescimento das bactérias, então a presença de glicose na urina aumenta devido às alterações hormonais, que ocorrem neste período, deixando a uretra um ambiente mais vulnerável à proliferação de bactérias.

Outra causa pode ser o aumento do útero, que ao ocupar mais espaço, pode obstruir parcialmente o ureter e criar condições de estase urinária (urina parada).Durante a gravidez o hormônio progesterona, relaxa o músculo da uretra, diminuindo assim o fluxo da urina, dos rins para a bexiga, permitindo assim que a urina fique por mais tempo parada, aumentando os fatores favoráveis ao aumento de bactérias.

Os sintomas surgem e se definem de acordo com a infecção urinária que se estabeleceu no trato urinário da gestante.

A Cistite é a forma menos agressiva da infecção urinária, e a pielonefrite é a mais grave, acometendo os rins.

Em casos mais graves, os sintomas são náuseas, vômitos, febre, urina turva com odor, calafrios e uma dor intensa nos rins (região lombar) e que aparecem normalmente nos primeiros três meses da gestação.

Na infecção mais graves (pielonefrite) são liberadas toxinas pelas bactérias que podem causar contrações no útero, levando ao trabalho de parto prematuro, abortamentos, hipertensão arterial, morte do bebê e até mesmo a da mãe, quando a infecção se torna severa e generalizada.

Mesmo a pielonefrite, ocorre após as infecções assintomáticas (que não apresentam sintomas de infecção). Portanto é importante diagnosticar a doença o mais rápido possível para que não haja nenhum risco, tanto para a mamãe, quanto para o bebê.

Equipe Filhos& Cia
Por Marcela França

 
Deixe seu comentário:
Nome:
E-mail* ( Seu e-mail não será divulgado! )
Comentário*
 
Gestação Semana a semana

E-mail

Senha