Publicidade
Sexta-feira, 15/12/2017
Busca
Buscar
Facebook
Twitter
RSS
Cadastre seu e-mail em nossa newsletter

Bebês até 1 ano

Tudo o que você precisa saber sobre as primeiras descobertas da criança estão aqui. Entenda o que acontece durante essa fase, desde recém nascidos até o primeiro ano de vida!

O teste do pezinho

Como já foi dito, este teste consiste em um exame de sangue  para triagem de erros metabólicos congênitos. Sua solicitação é obrigatória pelo Estatuto da Criança e do Adolescente.

Para garantir um resultado confiável o ideal é que seja realizado após 72 horas de vida, quando o bebê já está mamando bem.  Por este motivo sua coleta  geralmente é feita após a alta hospitalar. Através de uma “picadinha” no calcanhar são colhidas em papel especial três gotinhas de sangue, que são enviadas para  o laboratório.

No teste básico ou tradicional são pesquisadas duas doenças, o hipotireiodismo e a fenilcetonúria. A primeira refere-se a um mau funcionamento da glândula tireóide (que fica no pescoço). Para seu tratamento pode ser necessário o uso de remédios. Na segunda, o organismo da criança não consegue aproveitar uma substância chamada fenilalanina, presente em muitos alimentos. Para tratá-la é necessária uma dieta especial sem fenilalanina. Ambas, se não tratadas, podem acarretar vários problemas, entre eles um comprometimento do desenvolvimento neuro-psico-motor do bebê.

Alguns  laboratórios realizam com a  mesma amostra um número maior de testes, pesquisando outras doenças congênitas. Como por exemplo a fibrose cística, um mau funcionamento de algumas glândulas que pode ocasionar problemas pulmonares, diarréias e déficit no crescimento. Este é o teste do pezinho plus ou ampliado no qual quase 30 doenças congênitas são pesquisadas.

O resultado demora por volta de 30 dias para chegar, mas se houver algum problema com o exame os pais são avisados antes deste prazo.

As doenças metabólicas são raras, mas devem ser diagnosticadas e tratadas precocemente para evitar danos ao desenvolvimento da criança.

Embora um resultado normal neste teste seja recebido pelos pais como uma garantia de que seu bebê não tem e não terá nenhum problema neurológico ou intelectual, isto não é verdadeiro. O teste do pezinho normal não afasta a possibilidade de ocorrer deficiência mental ou comprometimentos neurológicos por outras causas, genéticas ou adquiridas.  Também não diagnostica as síndromes genéticas, como por exemplo a síndrome de Down.

Só o acompanhamento de rotina realizado pelo pediatra pode atestar a saúde do bebê.

Ruy do Amaral Pupo Filho
Pediatra, Sanitarista e Escritor

 
Deixe seu comentário:
Nome:
E-mail* ( Seu e-mail não será divulgado! )
Comentário*
 
Gestação Semana a semana

E-mail

Senha